Bem-vindos ao site português do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil dedicado à JMJ16.

 JORNADAS MUNDIAIS DA JUVENTUDE 2016
CRACÓVIA, POLÓNIA - 26 JULHO A 31 JULHO

«Bem-aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia» (Mt 5,7) 

Encontro Formativo 5 - Onde está o teu irmão?

 

1. Introdução/objetivos

 

Neste encontro propomos aos jovens e seus animadores refletir acerca das bem-aventuranças felizes os que têm fome e sede de justiça e felizes os que sofrem perseguição.

 

Bono Vox a citar Isaías 58? É algo exótico, não é? Mas sim, há uma entrevista no YouTube[1] em que o vocalista dos U2 aparece a falar sobre o seu empenho em causas sociais e de como encontra na Bíblia a inspiração para o que faz.

Depois de sabermos que um homem do espetáculo como ele conhece passagens tão recônditas do Antigo Testamento, só podemos ficar tremendamente curiosos e ir ver a que se refere. E diz assim, no livro do profeta:

“Se tu te privares para o faminto, se tu saciares o oprimido, a tua luz brilhará nas trevas; o Senhor será o teu guia continuamente e te assegurará a fartura, mesmo em terra árida; Ele revigorará os teus ossos, e tu serás como um jardim regado, como uma fonte borbulhante cujas águas nunca faltam” [Isaías 58,10-11].

Não é de uma beleza estonteante? E mais: nesta promessa que Deus faz, está já contido o coração daquilo que Jesus irá retomar no Evangelho de Mateus: “bem aventurados os que têm fome e sede de justiça”, afirma o Senhor no Sermão da Montanha. E agora, juntando ambas as passagens - Isaías 58,10-11 e Mt 5,6 - percebemos porquê. É uma fome e uma sede que nos podem guiar nada mais nada menos que até à felicidade – isso mesmo que todos procuramos!

Mas voltemos um pouco atrás: como pode o Senhor pôr felicidade, fome, sede e perseguição na mesma frase?

Como pode Ele dizer: “felizes os que têm fome e sede de justiça”? Jesus responde em modo de parábola em Lc 16-19-31 com a história do rico anónimo e do pobre Lázaro para explicar que há dois tipos de riquezas: aquelas que passam e aquelas que ficam. E há uma escolha a fazer. O Senhor propõe que escolhamos pôr o nosso coração e o nosso tesouro nas riquezas que não perecem nem podem ser roubadas [Mt 6, 19-20]. E isso passa seguramente pela caridade, por reconhecer a dignidade do outro – assim como quem responde àquela pergunta que ressoa, desde os inícios da Bíblia: “Onde está o teu irmão?” [Gn 4,9]. Porque, pelos vistos, quando cuido da dignidade do outro, cuido da minha também – e o contrário também é verdade: quando não cuido da dignidade do outro, descuro a minha também.

Como pode Ele dizer ainda: “felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça”? Jesus responde com tantas frases assertivas do Evangelho. Mas a que ressoa com mais força é a que nos diz com a sua Paixão, Morte e Ressurreição. Mais uma vez põe-nos em ligação direta com o ‘outro’ mundo, para nos dizer: aquilo que vês acontecer à tua volta? O que os outros fazem? Que te importa? Importa-te, isso sim, com assumir a tua responsabilidade e fazer a tua parte. E depois, esclarece: “se eles me perseguiram também vos perseguirão” [Jo 15,20].

Então percebemos que a sede e a fome e a perseguição são ‘apenas’ circunstâncias. Circunstâncias fortes, desconfortáveis, temíveis, mas que somos convidados a ver como território a atravessar - se queremos atingir o objetivo final que é o Reino dos Céus.

Concluindo: nós, na nossa pequenez de criaturas finitas e vulneráveis, perguntamos a Deus como podemos ser felizes. E Ele responde. E diz que a pessoa plenamente realizada és tu e eu quando não nos furtamos a responder à pergunta “e quem é o meu próximo?”; a pessoa feliz és tu e eu quando sentimos fome e sede, quando nos sentimos perseguidos, quando nos voltamos do avesso por procurarmos o Reino dos Céus com todo o nosso coração, com toda a nossa alma, com todas as nossas forças e com todo o nosso entendimento [Lc 10].

 

João Delicado

 

Objetivos para esta sessão:

 

·         Despertar o desejo de sair de si mesmo e descobrir o outro;

·         Refletir acerca da forma como vivemos as relações com o mundo à nossa volta;

·         Provocar desejo de colaborar na construção do Reino, vivendo ao estilo de Jesus no dia-a-dia da pessoa;

 

 

 

 

 

 

 

2. Dinâmica

 

Começar a reunião visualizando os seguintes vídeos:

·         Video: “Virus da Gentileza” – legendado pt;

o    https://www.youtube.com/watch?v=kpY_crTpsQg;

·         Vídeo: “Gentileza gera gentileza. Repasse essa ideia”;

o    https://www.youtube.com/watch?v=wg2wJV-N7gY;

De seguida, entregar a letra da música subjacente aos vídeos (anexo 1) a cada um dos participantes e pedir que leiam a letra. De seguida o animador faz algumas questões para irem refletindo pessoalmente (em silêncio):

o    Esta letra continua a fazer sentido hoje? Porque?

o    Partindo das situações que vimos no vídeo, no mundo em vivemos, será que as pessoas reparam umas nas outras?

o    Que sentes quando olhas para o mundo tantas vezes individualista e egoísta em vivemos?

De seguida, abrir a discussão a todo o grupo, no qual cada um pode partilhar aquilo que pensou sobre estas questões. O animador pode propor de seguida as seguintes questões para aprofundar:

·         Reparamos naquilo que acontece a nossa volta?

·         Reparamos nas pessoas com quem nos cruzamos na rua, sejam elas conhecidas ou não?

·         Interessamo-nos pelos outros? Pelo que vivem, pelo que sofrem?

·         Consideramos que podemos fazer a diferença no mundo?

Depois desta discussão, propor uma última questão/desafio:

·         Cada um pense e partilhe uma experiência em que sentiu que fez a diferença na vida de outras pessoas.

 

De seguida, propor ao grupo fazer uma dinâmica oracional, na qual cada um poderá refletir acerca de si próprio e da forma como pode ser uma dessas pessoas que transformam o mundo.

Para essa dinâmica o animador entrega a cada participante a folha no anexo 2. Dá-se aproximadamente 15 minutos para lerem e refletirem sobre as questões, entrega-se a cada participante uma caneta ou lápis para que possam escrever as respostas às questões.

Durante este tempo, o animador pode colocar uma música de fundo, calma para ajudar a reflexão.

 

3. Oração

 

Rezar, ouvindo, a Oração de São Francisco de Assis, interpretada pelo cantor brasileiro Luan Santana: https://www.youtube.com/watch?v=fSeZdbt1MDA

 

Pode optar-se pela versão do Padre Omar: https://www.youtube.com/watch?v=a3RMCjs3ym0

 

4. Mexe-te

 

Proposta de Dinâmica:

1.    Ver a entrevista do Bono Vox: https://youtu.be/SG67QaSAEkQ

 

2.    Preencher a “lupa para procurar o próximo” em anexo, com o que o Cantor célebre sugere no vídeo.

 

3.    Recortar o interior da lupa e, com o que se escreveu no resto da folha, ir à procura de quem precisa à sua volta.

 

 


[1] Cfr. https://youtu.be/SG67QaSAEkQ

 

DESCARREGAR

Encontro formativo 5

 

ANEXOS

Anexo 1 | Anexo 2 | Anexo 3

Email